sábado, 8 de julho de 2017

Não pedir perdão a Deus impede a conversão

Num certo sentido este é o mês mais importante do rol das aparições de Nossa Senhora em Fátima, pois é o mês no qual Ela ditou o SEGREDO de FÁTIMA, fulcro da Mensagem de Fátima.
     Muitos mistérios envolvem ainda hoje a Mensagem de Fátima, sobretudo na parte referente ao Segredo, conforme tentarei mostrar.
     Quando a Irmã Lúcia escreveu em 1944 a terceira parte do Segredo, por ordem de Nossa Senhora anotou no exterior do envelope que este só poderia ser aberto em 1960 pelo Patriarca de Lisboa ou pelo Bispo de Leiria.
     Porém, no ano de 1957, o Vaticano pediu o envelope, de onde não se tem notícia que tenha saído.
     Evidentemente, o Vaticano teria o direito de pedir tal envelope, mas se Nossa Senhora, Ela mesma, mandou escrever que o mesmo deveria ser aberto pelo Patriarca de Lisboa ou pelo Bispo de Leiria, por que o mesmo foi pedido três anos antes?
     Além disso, é um fato histórico que o chamado terceiro Segredo não foi publicado a não ser no ano 2000, e mesmo assim sob uma forma que guarda mistérios não inteiramente esclarecidos.
     Quando Nossa Senhora pediu para os Pastorinhos guardarem o Segredo não o fez por superficialidade, nem muito menos por brincadeira. Tanto é verdade que o fato contribuiu para gerar, em torno do Segredo, uma expectativa enorme por parte dos católicos de todo o mundo.
     É evidente que a revelação de tal Segredo, se tivesse sido conduzida de forma zelosa e realmente apostólica, seria de molde a provocar uma grande reação nas almas. Reação essa que só poderia ser no sentido de uma conversão.
     Ora, a revelação foi feita e o efeito foi praticamente nulo nas almas. Basta sair às ruas e ver a imoralidade das modas, o desbragado das indumentárias e a loucura estabelecida como normalidade.
     Assim, uma Mensagem que teria sido uma alavanca extraordinária para soerguer as almas foi completamente neutralizada.
     Imaginemos que a revelação do Segredo tivesse sido acompanhada de uma grande ameaça por causa dos pecados reinantes: teria sido talvez a única maneira de despertar muitas almas do letargo. Mas não foi assim.
Há anos que, com raras e beneméritas exceções, tanto em Fátima quanto nos ambientes religiosos em geral se dogmatiza erroneamente que Deus não castiga ninguém, que Deus perdoa tudo e a todos. Esse procedimento incute nas almas uma convicção de que não devem temer nenhuma punição, que os Mandamentos são uma mera lista de normas sem importância e que rompê-los não determina nenhuma consequência.
Ora, afirmar isto, além de ser frontalmente contrário à doutrina católica, evita que as pessoas, movidas pelo temor de Deus, o qual as Sagradas Escrituras dizem que é o início da sabedoria, se convertam, especialmente antes de morrer. Portanto, tal procedimento compromete terrivelmente a salvação das almas. Explico-me com um exemplo.

Não é de hoje que temos assistido uma seguidilha de catástrofes, tragédias, doenças etc. E nunca aparece uma menção que é preciso nos convertermos, voltar a praticar os Mandamentos, frequentar os Sacramentos corretamente, mudar de vida... A única conversão que certos eclesiásticos apregoam é a do abandono das riquezas, as quais devem ser "compartilhadas" para fazer o socialismo e o comunismo.
Quase não se ouve um sermão que ataque a imoralidade. Muito menos um sermão que ataque a dessacralização. A maior parte das missas estão transformadas num vale-tudo. Recentemente li a reportagem de um Padre que promoveu em sua paróquia concurso de miss. E posa entre as candidatas seminuas na maior sem-vergonhice. Soube também de casos de bispos que frequentam termas de banhos públicos. E houve até o fato de um sacerdote que celebrou missa numa praia, estendendo para isso, diretamente sobre a areia, uma toalha.
Enquanto tais eclesiásticos ficam inteiramente impunes, vemos uma meticulosa investida contra os sacerdotes que desejam celebrar o Rito Extraordinário da Missa. Por que?
Quando acontece uma catástrofe espantosa como os terríveis incêndios que se deram em Portugal, exatamente no Centenário das tão mal comemoradas aparições, somos informados de pessoas, famílias, anciãos, devorados e carbonizados pelas chamas. Mas nesse noticiário não aparece, pelo menos nas notícias que vi, qualquer referência a um pedido de perdão a Deus, a Nossa Senhora, uma promessa de emenda, nada.
O fato de terem ouvido que "Deus não castiga", está na raiz dessa maneira naturalista de ver aqueles  trágicos acontecimentos. Quem responderá por isso diante de Deus?

Quanto a nós, devemos manter a esperança em Nossa Senhora e ter a certeza de seu triunfo. Isto é que nos move a lutar sem trégua, sem descanso, sem afrouxamento para esse triunfo.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Por que não se fala de Fátima?


Acabam de ser canonizados dois pastorzinhos que viram Nossa Senhora de Fátima. Isso é realmente importante e justo! O que não entendo é por que não se fala da mensagem da qual foram portadores, já que se tornaram santos.
Ora, as pessoas estão se dando conta de que as coisas em nossos dias vão se degradando em todos os campos da atividade humana, de que existe uma crise geral, que algo de grave está para acontecer.
Sim, porque o mundo vem adotando coisas descabidas do ponto de vista da inteligência, além de muito ofensivas à moral e aos bons costumes, portanto pecaminosas. Basta sair às ruas, basta ver as modas, basta ver as fisionomias das pessoas. O ambiente revela clima de fim de festa.
Analisem as fisionomias dos dois Santos acima. Não estão com um riso superficial e otimista como se tudo andasse bem. Elas dão a ideia da importância grave que eles davam à Mensagem que lhes foi comunicada. 
Assim sendo, podemos nos perguntar:
Por que nas igrejas não se apregoa a Mensagem de Fátima e não se reconduz as almas ao redil dos Mandamentos da lei de Deus? Afinal, na mensagem Nossa Senhora dá a solução! Oração, conversão, penitência.

 Fora do que Nossa Senhora pediu não há solução. Vamos para o abismo. Com Ela tudo se conserta. Sem ela tudo se arruína. Ou não se tem mais fé em Nossa Senhora nas igrejas? Que São Francisco e Santa Jacinta de Fátima intercedam por nós!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

A demolição da aura da Santidade de Nossa Senhora nas mentes dos católicos

Já há alguns meses foi anunciado que será levada ao Sambódromo de São Paulo, durante o Carnaval deste ano, uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, como tema de um carro alegórico da Escola de Samba Unidos da Vila Maria.
Por absurdo que seja, a mídia está noticiando que essa presença foi autorizada pelas mais altas personalidades eclesiásticas. A desculpa que dão é de que a tal Escola de Samba garantiu que não haverá, no carro alegórico da Vila Maria, cenas de nudez ao redor da imagem. Nos outros carros da mesma escola...
Ora, essas autoridades eclesiásticas sabem perfeitamente que, nesse Sambódromo, acontecerão as cenas mais lúbricas, de passistas em trajes sumários, quando não completamente nuas, em danças imorais que ofendem gravemente a Deus. Isso a tal ponto que fico impedido de ilustrar esta postagem.
Ademais, está na Internet, portanto ao alcance de qualquer pessoa, a informação de que tal escola de samba sempre desfilou ostentando o mesmo grau de imoralidade das demais. As chamadas musas do Carnaval exibem-se escandalosamente, conscientes de que assim satisfazem os desejos baixos da maioria do público ali presente. Quem vai ao Carnaval vai atrás disso...
Não adianta dizer que a Escola de Samba que levará a imagem fará uma como que bolha “moralizada” (moralizada?), que só existirá junto á imagem, e não no Carnaval que se desenrolará em torno dela. Isto não passa de uma imensa hipocrisia.
Seria algo como levar a imagem a uma praia nudista, garantindo que os que a carregam não estarão nus. Por aí vemos o farisaísmo dessa autorização absurda, que põe à sombra os anos a fio de promoção desse imenso pecado que é a imoralidade gigantesca reinante nesses eventos, acrescida do consumo de drogas, de bebedeiras, uma perfeita bacanal.
Mas não é só isso. Há algo que vai mais longe e é muito mais grave.
Ficará a impressão extremamente danosa para os católicos e mesmo para os não católicos, de que a Igreja já não censura a imoralidade carnavalesca. E que tudo aquilo que acontece no Sambódromo não constitui ofensa a Nossa Senhora e a Deus. E que a tal bolha hipócrita só foi criada para dar uma certa satisfação aos “conservadores atrasados, que ainda estão vivendo na Idade Média”, pois o Carnaval com sua nudez não tem nada de mais.
Lembremo-nos que hoje a Sagrada Comunhão é dada em muitas igrejas, e com a maior naturalidade, a pessoas trajadas de modo sumário, com shorts ou microssaias as mais desavergonhadas, isto sem falar dos decotes que deixam à mostra partes do corpo feminino que não poderiam estar em exibição segundo a moral católica.
Ora, é evidente que esse endosso eclesiástico ao Carnaval vai estimular a ousadia rumo ao nudismo total. E nas ruas e até nas igrejas o despudoramente vai aumentar ainda mais.
Francamente, é inacreditável que a maioria dos pastores de almas não deem a menor importância para isso. Há não sei quantos anos a omissão deles em relação à progressiva imoralidade do Carnaval e dos trajes civis vem chamando a atenção.
No que dará isso? Dará na estatística que a revista Carta Capital publicou em novembro último: a cada 11 minutos uma mulher é estuprada no Brasil!
O estupro é uma coisa abominável e deve ser severamente punido. Mas a culpa é só dos estupradores? A atração exercida pelo jeito provocativo com que estão as modas não tem também responsabilidade nisso? Uma vez que o senso moral e religioso está desaparecendo, o que deterá as pessoas assim provocadas?
Imaginem que aparecesse a moda de durante a noite as casas ficarem com as portas visivelmente abertas. Haveria espanto em se constatar um aumento de roubos delas?
Tiremos uma conclusão: Por que as cadeias estão cheias? Nossa sociedade corrompida, sem moral e sem religião, produz bandidos em uma proporção espantosa. A ponto de hoje termos, dentro das prisões superlotadas, um verdadeiro governo paralelo ameaçando as instituições e o País.
Na lógica dessa argumentação, esse imenso pecado de permitir que a imagem sacrossanta de nossa Rainha e Padroeira seja levada ao Sambódromo, deverá trazer consequências imprevisíveis, caso os brasileiros não reajam à altura.
O que vivemos hoje não é senão fruto da indiferença de 100 anos com relação à Mensagem transmitida por Nossa Senhora em Fátima.
Depois de tudo quanto já caiu e nos jogou de 97% dos brasileiros  na década de 1960 para 50% em nossos dias, agora chegou a vez de destruírem a aura de santidade e respeitabilidade de Nossa Senhora.

Portanto, a única saída é voltarmo-nos para Ela e pedir-Lhe que tenha compaixão dos que A amam e procuram levar a sério a sua santa mensagem. Que Nossa Senhora, sob as invocações de Aparecida e de Fátima, proporcione aos seus filhos e filhas fiéis muitas graças nesse sentido.