sexta-feira, 18 de abril de 2008

Vida de cão e vida de homem. Afinal, quem é mais?

Li hoje, dia 18 de abril, no Caderno 2 do Estado de São Paulo a seguinte notícia da Sonia Racy

Bom pra cachorro.

O PV emplacou uma. O governador José Serra acaba de sancionar a lei que proíbe a matança de animais no Estado de São Paulo. Gatos, cães e outros bichos só podem ser mortos em caso de doenças incuráveis. No mais, canis e centros de zoonoses devem cuidar da identificação, registro e esterilização cirúrgica.


Quando me enviaram a imagem do cachorro ao lado, julguei que fosse uma brincadeira, uma montagem penas, mas sou obrigado a rever a minha atitude superficial. O mais próprio é considerá-la como uma "foto profecia". É incrível, mas é para uma completa inversão de valores que estamos caminhando!
Imagine que um juiz condenasse um criminoso a lavar diariamente as instalações sanitárias da casa de um inimigo pessoal que ele prejudicou. Seria uma punição com uma tônica de humilhação bastante relevante. Provavelmente alguma ONG defensora dos direitos humanos protestaria contra a sentença em nome da dignidade humana. Sobretudo de o criminoso fosse esquerdista ou terrorista. Seria capaz de pedir até uma indenização para o condenado.

Acontece que ao sairmos à rua vemos pessoas, algumas até de certo nível cultural, fazendo servilmente a higiene da calçada suja pelo respectivo cão. Problema da limpeza pública a parte, são seres humanos, que têm alma, remidos por Nosso Senhor Jesus Cristo, que aceitam prestar a um animal uma tarefa que jamais prestariam a outro ser humano! Que submissão! Que igualdade!

Reparemos agora a foto do bebê.
O mesmo Serra que acaba de sancionar a lei que garante a vida dos animais, no passado, enquanto Ministro da Saúde, deu um forte impulso para a liberalização do aborto! Imaginem que este bebê, no seio da mãe, para os abortistas, não merece direito à vida. E um bicho, que não tem alma, e por isso é incomparavelmente menos que um ser humano, tem a sua vida garantida.
Que futuro nos espera? Ter "vida de cachorro" já foi sinônimo de indignidade. Hoje as coisas estão diferente. O que quererá dizer dentro de algum tempo: "Ter vida de ser humano?" Deve ser uma desgraça difícil de imaginar!

6 comentários:

EVALDO LUIS disse...

O homem atual já está preparado para ser equiparado aos animais. Ontem,ao entrar em uma Padaria, ouvi uma musica, vinda de um veículo com o som, a todo volume e a letra da musica era: " eu sou uma cachorra..." - Aproveitei, para censurar aquela letra musical e a moça do caixa, deu um sorriso de apoio a musica tão degradante. A humanidade já perdeu a dignidade.

Monarquia Brasileira disse...

É uma pena ver como está a humanidade,animais valendo mais que pessoas......

Ana Lígia disse...

Estimado Marcos, é claro que Serra deveria raciocinar assim: "Se os seres humanos não têm o direito de serem cruéis com os animais, muitíssimo menos têm o direito de serem cruéis com os embriões e fetos, seres humanos com alma, que sequer podem exercer o direito da Legítima Defesa." Ou seja: vamos recriminar o Serra por ser um abortista, ou seja, um favorável ao assassinato de pessoas, criaturas de Deus com alma, em estado embrionário e fetal. Mas não vamos recriminar o Serra por ter tomado medidas corretas em relação aos animais, criaturas de Deus, também, embora sem alma. Trabalho à luz do verdadeiro Cristianismo contra o aborto e também na proteção dos animais; e lhes digo que, se uma minoria não-evangelizada faz besteiras como pintar pêlos de animais, pintar-lhes as unhas, dar-lhes caviar, a maioria não-evangelizada é terrivelmente perversa para com os animais, e interpreta qualquer texto como o do blog como um incentivo para suas perversidades.

Ana Cecília Neger disse...

Bom do jeito que a humanidade anda, não se é suspeito dela estar-se assemelhando aos animais,só tomam atitudes irracionais, então é preciso rever estes conceitos e cada um fazer sua parte para que isso possa mudar, antes que seja tarde demais...

Marcos Luiz Garcia disse...

Resposta à prezada Da. Ligia
Permita-me discordar respeitosamente da sua conclusão. Por que essa lei só serve para certos animais e não para bois, porcos, galinhas etc., dos quais nos alimentamos? Estou de acordo que os animais não devem sofrer crueldades nem ser maltratados; mas isso deve ser regido pelo bom senso. E a boa formação das pessoas devem levá-las a isso. Estão sendo fitas leis em razão de efeitos e não para corrigir as causas. A continuar assim, chegaremos ao caos completo. Ou se cuida da formação, ou se limpa a TV do lixo que ela leva para as casas, ou se volta a dar uma sólida formação católica para as pessoas, ou se ensina a praticar as virtudes ou a guerra está perdida.
Daí a nossa esperança no triunfo do Imaculado Coração de Maria, prometido por Nossa Senhora em Fátima. Na civilização autenticamente cristã todos esses problemas se resolvem por si,
Obrigado pelo seu comentário.
Que Nossa Senhora a proteja.

Anônimo disse...

Não tenho nada contra animais. Muito pelo contrário, e até possuo vários em casa. No entanto, salta aos olhos, como progressivamente a vida humana vai sendo desvalorizada, muitas vezes justamente por aqueles que se dizem defensores dos direitos dos animais. É comum encontrar pessoas que ficam indignadíssimas ao ver um cão maltratado mas aprovam alegremente o aborto.

Cumprimentos,

jjm