terça-feira, 29 de abril de 2008

Como Deus julgará a cada um?

EXPOSIÇÃO BLASFEMA CHOCA A ÁUSTRIA.

No museu católico ligado à famosa catedral de Santo Estêvão, em Viena, estão sendo expostos desde 12 de março até 10 de maio, quadros do artista austríaco Alfred Hrdlicka, um notório estalinista. (1a. foto)

Para espanto dos católicos, na exposição encontrava-se, entre outros, um quadro da Última Ceia, no qual Nosso Senhor e os Apóstolos são representados em uma satânica orgia homossexual.
Embora a exposição tenha provocado protestos de católicos em várias partes do mundo, no Brasil não se teve notícia dela. Nossa mídia, tão ciosa em dar grande destaque a notícias sem a menor importância, simplesmente negligenciou esta.

O arcebispo de Viena, Christoph Schönborn (2a. foto), apesar de o museu ficar próximo de seu Palácio e da Catedral e estar sob sua jurisdição, afirmou que não sabia de nada. O diretor de imprensa da Arquidiocese, Erich Leitenberger, declarou ao importante jornal polonês Rzeczpospolita que o arcebispo, depois de tomar conhecimento do referido quadro, mandou retirá-lo. Mas acrescentou que o prelado defende a permanência das demais obras, uma vez que se pode interpretá-las de diferentes modos.

– As obras dessa pessoa nunca deveriam encontrar-se num museu católico. Esta horrenda exposição deveria ser imediatamente fechada – declarou ao referido órgão polonês Michael Whitcraft, da Sociedade de Defesa da Tradição, Família e Propriedade, dos Estados Unidos.

Hrdlicka, conhecido pelo seu fanático anticlericalismo e simpatia pelo comunismo, ainda teve o descaramento de comparar as reações contra a exposição com os violentos protestos que provocaram a publicação das caricaturas de Maomé.

Muita gente reclama que o mundo anda muito mal. E com quanta razão! Mas ao mesmo tempo, manifesta estranheza quando se diz que só um grande castigo, como o profetizado por Nossa Senhora em Fátima, é capaz de pôr cobro a tantos pecados. Por los azotes y las afrentas, me daréis estrechas cuentas – pelos açoites e as afrontas, dar-me-eis estreitas contas – está escrito na base de uma imagem representando Nosso Senhor sendo flagelado, que se venera numa das belas igrejas de Lima, no Peru.

O que está acontecendo neste momento no Museu católico de Viena é verdadeiramente assombroso, sem comparação até mesmo com as mais pungentes cenas da Paixão de Nosso Senhor. Ele, que era a própria perfeição, sentia muitíssimo mais as dores morais do que as físicas. Pode haver dor moral maior para o Sumo Bem do que ver-se apresentado – e logo onde! – como participante de uma orgia homossexual?

O Leão de Judá, "está sentado à direita do Pai, de onde há de vir para julgar os vivos e os mortos e cujo Reino não terá fim" (Credo). Só uma santa indignação repara uma blasfêmia como esta, é o mínimo. Onde não há essa santa indignação falta amor a Nosso Senhor Jesus Cristo.

2 comentários:

Anônimo disse...

"Os sacerdotes, ministros de meu Filho, pela sua má vida, sua irreverência e impiedade na celebração dos santos mistérios, pelo amor do dinheiro, das honrarias e dos prazeres, tornaram-se CLOACAS DE IMPUREZA.
Sim, os sacerdotes atraem a vingança, e a vingança paira sobre sua cabeças. Ai dos sacerdotes e das pessoas consagradas a Deus, que pela sua infidelidade e má vida cruxificam de novo meu Filho!..."
Estas palavras ditas por Nossa Senhora em la Salette ao aparecer a pastorinha Mélanie Calvat no ano de 1846..., O que Nossa Senhora diria, hoje - 30 de abril de 2008?

Elza Maria disse...

No plano sobrenatural, a ofensa a Deus é sem medida. Mas no plano temporal é lamentável que isso tenha acontecido na Áustria, pátria dos Habsburgos e de um Império católico repleto de símbolos e que tanto serviu à Civilização Cristã! A que ponto pode uma sociedade se degradar sem uma hierarquia eclesiástica à altura de sua missão!